Bancos angolanos admitem interesse de privados para recuperar o BESA

Por Revista Invest | 22 de outubro, 2014
  • Entrevistas
O presidente da Associação Angolana de Bancos, Amílcar Azevedo da Silva, admitiu hoje, em entrevista à agência Lusa, o interesse de investidores angolanos no aumento de capital do Banco Espírito Santo Angola (BESA), decidido pelo banco central.

"Acho que sim. Se o BNA [Banco Nacional de Angola] adotou uma medida que visa a salvaguarda da continuidade da atividade do banco [BESA] é porque tem, certamente, conhecimento de que haja parceiros angolanos interessados em tomar parte do capital no banco", afirma Amílcar Azevedo da Silva.

 

O BNA ordenou, na segunda-feira, seis medidas a aplicar em sete dias úteis visando a continuidade do BESA - ainda detido em 55,17% pelo BES português -, depois de analisar a evolução da situação financeira daquele banco, decorrente das medidas de saneamento adotadas face ao volume de crédito malparado.

 

Uma dessas medidas envolve um aumento de capital, de 65.000 milhões de kwanzas (494 milhões de euros, à taxa cambial de 04 de agosto, quando o BESA foi intervencionado), a realizar pelos acionistas ou entidades "por si convidadas", aceites pelo banco central, para "assegurar o cumprimento dos rácios prudenciais mínimos", explicou na altura o BNA.

 

Para o presidente dos bancos angolanos - 24 em atividade atualmente no país -, a solução definida pelo BNA, por permitir a continuidade do BESA, é a que melhor serve o sistema financeiro nacional.

 

"Os empresários angolanos participam sempre com muito interesse nos bancos e deve haver certamente interessados em participar na recuperação [através do aumento de capital] de um banco que já era um marco do sistema bancário angolano", assume Amílcar Azevedo da Silva.

 

Necessário reforço imediato de 3,2 mil milhões

 

O BNA justifica as medidas decididas face à "necessidade de salvaguarda da economia e do sistema financeiro nacional, da proteção dos interesses dos depositantes e credores do BESA", e ao "restabelecimento das condições mínimas de funcionamento" do banco.

 

"É sempre melhor a salvaguarda das centenas de empregos, de interesses de vária ordem que podem ser recuperados. Certamente que foi feita uma análise rigorosa e verificada a viabilidade do banco e é uma solução que vai ao encontro do interesse de todos", defende o presidente da Associação Angolana de Bancos.

 

Segundo o BNA, após reavaliação das contas, já sob administração provisória do banco central, os fundos próprios do BESA passaram a ser negativos em 383.886 milhões de kwanzas (2,9 mil milhões de euros), confirmando-se a necessidade de "reforço imediato" dos capitais, em pelo menos 425.768 milhões de kwanzas (3,2 mil milhões de euros).

 

Neste processo, diz o BNA, foram ouvidos os acionistas do BESA e o Novo Banco, este "enquanto atual titular do empréstimo interbancário sénior concedido pelo acionista maioritário do BESA [BES]".

 

O Novo Banco vai ficar com uma participação de 9,9% no capital social do BESA, por conversão de 53,2 milhões de euros do empréstimo, titulado, àquela instituição, outra das decisões do BNA. Esta percentagem corresponde à conversão de 7.000 milhões de kwanzas do empréstimo, à data de 4 de agosto.

 

Foi ainda decidido um aumento do capital "por conversão de parte do empréstimo interbancário sénior" - titulado pelo Novo Banco -, em 360.768 milhões de kwanzas (2,74 mil milhões de euros, à data de 4 de agosto), "seguido de uma redução dos capitais próprios dos acionistas por absorção da totalidade dos prejuízos acumulados".

 

"Com esta operação, os atuais acionistas do banco vêm as suas participações no capital social, completamente diluídas", referiu, na segunda-feira, o BNA, entre outras medidas.

 

 

Revista Invest / Lusa

BESA, BES, Angola, recuperação,

Partilhar

Destaque

Empresas familiares – por Manuel Liberal Jerónimo