A loja da net que virou o gigante da moda

Por Revista Invest | 22 de janeiro, 2015
  • Entrevistas
    Thierry Petit: “Em 2013, vendemos 20 milhões de produtos, de mais de 1.500 marcas”(DR)
  • Entrevistas
    A empresa aposta em artigos para a classe média-alta e alta (DR)
  • Entrevistas
    Na Showroomprive, 70% dos clientes são mulheres (DR)
Criaram uma loja de moda online em 2006. Hoje vendem 500 milhões de euros. É a Showroomprive. A INVEST entrevistou Thierry Petit, CEO da empresa, que revela pormenores do negócio e os cinco fatores-chave do crescimento.

“Em menos de dois anos a maior parte do tráfego da nossa loja terá origem em dispositivos móveis”. Thierry Petit antecipa o futuro, tal como fez em 2006, quando, em parceria com David Dayan, criou a Showroomprive, uma loja de roupa e de acessórios unicamente no espaço online, que opera em oito países, incluindo Portugal.

 

A inovação está no ADN da empresa, aliás recentemente reconhecida com o “Prémio Nacional de Empresa do Futuro 2014”, concedido pela Ernst & Young e pela publicação L’Express, em França. “É o reconhecimento à capacidade inovadora da Showroomprive e ao grande esforço que fizemos para sermos líderes em inovação no e-commerce”, disse à INVEST, considerando que “é um prémio que chega num momento chave, uma vez que trabalhamos muito nos últimos dois anos em projetos novos”.

 

O crescimento, esse, tem sido “incrível”, reconhece o empresário, que começou o negócio do nada, ele e um sócio, com conhecimento, vontade de fazer coisas e capital próprio. Conheceu David Dayan, o seu sócio e co-fundador da Showroomprive, que vinha do setor retalhista da moda, experiência que juntou à sua, como engenheiro de telecomunicações. Ele tinha feito o primeiro comparador de preços online em França.

 

Decidiram, assim, juntar dinheiro e aproveitar a melhor da experiência de cada um. “Inaugurámos a Showroomprive com seis pessoas, investindo na empresa o nosso próprio dinheiro”, recorda Thierry Petit, adiantando que, “no primeiro ano, faturámos 300 mil euros”.

 

 

Pagar depois de vender

 

O modelo de negócio “baseava-se 100% nas compras em depósito, ou seja, acordávamos com as marcas de moda premium, que nos reservavam um determinado stock. Na loja showroomprive.com lançávamos a campanha de venda dessa marca e, uma vez vendido o stock e cobrada a importância das compras aos consumidores, fazíamos o pedido final à marca e enviávamos aos clientes”, disse o empresário, esclarecendo que, atualmente, mantêm o mesmo processo em 65% das campanhas organizadas. “Os 35% restantes trata-se de stock que já comprámos e temos nos nossos armazéns. Desta forma, com este stock, o consumidor pode receber o seu pedido em 72 horas”, adianta, apontando assim uma das características diferenciadoras da empresa.

 

A loja só trabalha com marcas de moda e com marcas de grande notoriedade pública, como a Diesel, Dolce & Gabbana, Pierre Cardin, Moschino, entre muitas outras. Além de roupa, disponibiliza também sapatos, acessórios, cosméticos, decoração, tecnologia, desporto, saúde e até gastronomia.

 

Em 2013, “vendemos 20 milhões de produtos e trabalhámos com mais de 1.500 marcas de moda para mulher, criança e homem, cosmética, beleza, acessórios, decoração, entre outros. Em cada venda existe em média 150 referências (em função da marca), pelo que o número de referências supera as 220 mil. Também depende, porque quando lançamos campanhas de lingerie, o número de referências médio é muito maior”, disse.

 

Os resultados do modelo de negócio, que ainda se mantém, estão à vista: a Showroomprive, que começou em França, opera atualmente em oito países, incluindo Portugal, e tem registadas 16,2 milhões de pessoas, 11 milhões das quais no país de origem.

 

 

Crescimento associado à inovação

 

“Desde 2006 passámos de uma faturação de 300 mil euros, com seis trabalhadores, para 350 milhões de euros em 2013 e, no último ano (2014), prevemos fechar com uma faturação que vai entre os 480 e 500 milhões de euros, com 600 trabalhadores”, disse o CEO da Showroomprive.

 

As campanhas são uma das alavancas deste negócio. “O sócio registado na Showroomprive.pt pode escolher entre uma média de 75 campanhas de vendas por dia em épocas de compras Natalícias, São Valentim, Dia da Mãe, etc. No resto do ano temos aproximadamente 50 campanhas por dia divididas nas categorias Mulher, Criança, Homem e Lar. Cada campanha tem uma duração de uma semana e temos à volta de 10 campanhas novas todos os dias”, explicou Thierry Petit.

 

Dos seus clientes, “à volta de 70% são mulheres, que seguem as tendências de moda, classe média/alta e alta. Grande número são mães e dispõe de pouco tempo para ir às compras pelo que recorrem à internet para poupar tempo, aceder de forma rápida e fácil a uma grande variedade de marcas e artigos e encontrar os produtos de moda que desejam para elas, para o seu companheiro, seus filhos e casa, a preços atrativos”.

 

A inovação tem contribuído decisivamente para reforçar as vendas da empresa. O empresário exemplifica com a Entrega Express (para os 35% das vendas), única no setor de vendas privadas online, a implementação de recebimentos na moeda virtual Bitcoin, a aposta pelo mobile commerce (smartphones e tablets) e a logística 2.0, que permite que um pedido seja acondicionado em Paris duas horas depois do consumidor português ter feito a compra.

 

A nível de logística, em cada país, a empresa trabalha sempre com parceiros locais, “como os CTT Expresso em Portugal ou os Correios em Espanha. Quanto ao resto dos departamentos, contamos com pessoas locais que trabalham desde os escritórios de Madrid, Barcelona ou Paris. No caso de Portugal contamos com profissionais especializados nos departamentos de comunicação, marketing e atenção ao cliente”. Thierry Petit destaca a necessidade da empresa ser “o mais local possível e, para isso, temos de nos rodear de uma boa equipa que tenha nascido e vivido no país e que entenda a forma de pensar do mesmo e os hábitos das pessoas que vivem lá”.

 

Em relação a 2015, o gestor adianta que existem “vários projetos sobre a mesa”, admitindo que este ano “será de grande crescimento. O meu objetivo realista é que a Showroomprive se converta numa empresa de um bilião de euros, mantendo a sua rentabilidade”.

 

 

João Paulo Leonardo

 

 

 

 

 

Cinco fatores-chave para o crescimento

 

 

Nos últimos anos, a empresa tem crescido a uma média de 40% ao ano. Nesta entrevista à Revista Invest, Thierry Petit escreve, pelo seu punho, as cinco razões-chave que têm motivado este crescimento da Showroomprive.

 

 

1. Na Inovação, fator que teve especialmente em conta o júri do Prémio Nacional da Empresa do Futuro para nos conceder o prémio. Para nós a inovação é uma necessidade continua. Temos que inovar para podermos ser cada vez mais competitivos no mercado e também para oferecer aos nossos clientes o melhor serviço, as melhores aplicações e ferramentas e as propostas mais inovadoras que excedam as suas expetativas. E neste campo, fomos os primeiros no setor a adotar o Bitcoin como método de pagamento, somos os únicos a oferecer a Entrega Express em 72 h em Portugal e em 24h em França para 35% das vendas. Lançámos em França uma “app” que conecta os comércios offline com os consumidores quando navegam online. As nossas apps de mobile commerce estão no “top ten” das aplicações preferidas pelas mulheres em vários países, etc.

 

2. Por outro lado, para o nosso crescimento influenciou muito a nossa aposta pelo Desenvolvimento Internacional: atualmente 20% da nossa faturação tem origem nos mercados internacionais não franceses, nomeadamente Portugal, Itália, Espanha, Reino Unido, Polónia, Bélgica e Holanda. Dos 350 milhões de euros que faturamos em 2013, cerca de 10 milhões foram faturados em Portugal, 28 milhões em Espanha, 33 milhões em Itália... Os países do Mediterrâneo são especialmente importantes para nós porque os seus consumidores adoram moda e compram habitualmente.

 

3. Também a aposta pelo Mobile Commerce foi fundamental para fomentar o nosso crescimento. De facto, em 2014 mais de 45% das nossas vendas realizaram-se através de dispositivos móveis como smartphone ou tablets. Destinamos grande parte do orçamento de marketing a este canal porque o telemóvel facilita em grande medida o acesso dos consumidores ao e-commerce e também contribui para a confiança e para conhecer melhor as vantagens da integração da internet na vida diária. Temos vários casos de pessoas que estavam registadas mas que nunca tinham comprado através do computador e que, agora, ao comprar com um tablet ou um smartphone, tornaram-se clientes, utilizando esta nova aplicação móvel.

 

4. Outro fator chave do crescimento da nossa empresa foi o nosso Catálogo de marcas premium. Trabalhamos para adequar a nossa proposta à procura de cada país e mantendo sempre a mesma qualidade de marcas top.

 

5. E, por último, destaco a notoriedade da marca Showroomprive. Trabalhamos para os consumidores e com as marcas que confiam em nós, com campanhas de comunicação e eventos especiais como Mesas Natalícias, na qual participou a portuguesa Cristina Ferreira como convidada de honra. Foi um grande prazer contar com ela porque é uma profissional destacadíssima do mundo da moda e da televisão, fonte de inspiração para muitas mulheres.

 

 

 

 

 

 

 

Fundadores mantêm controlo

 

 

David Dayan e Thierry Petit, sócios fundadores, detêm a maioria do capital da Showroomprive, que é atualmente de 120.169.260 euros. Contam, desde 2010, com um sócio, o fundo de investimento Accel Partners, líder em tecnologia, que investiu 37 milhões de euros.

 

Um novo aumento de capital e a entrada de novos sócios “é uma das possibilidades colocadas sobre a mesa”, admitiu à INVEST Thierry Petit, esclarecendo que isso é “algo que anseia a maioria das empresas online”. Contudo, salvaguarda, “teríamos de estudar essa possibilidade antes de dar um passo em frente”.

Showroomprive, comércio, roupa, online,

Partilhar

Destaque

Empresas familiares – por Manuel Liberal Jerónimo